Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 20 de outubro de 2012

COMO FAZER UMA BOA CONFISSÃO?


 

I. PREPARAÇÃO PARA A CONFISSÃO


Cristo para que veio ao mundo? Para abrir-nos as portas do Céu. Para ensinar-nos que odeia o pecado, mas ama ao pecador. Quer que sejamos os seus AMIGOS, mas não pode ver-nos como amigos se na nossa alma existe esse terrível mal que O levou até a Cruz: o pecado, o MEU pecado. Cristo chora diante do meu pecado.


1. A Confissão e a sua importância:

É um sacramento Pelo qual o sacerdote, como instrumento vivo de Deus, perdoa os pecados cometidos, quando o pecador está sinceramente arrependido, diz as suas faltas em confissão ao sacerdote e cumpre a penitência. Dá alegria ao coração (Jo. 20,22-23). É o abraço e o beijo de Deus Pai ao seu filho pródigo. Ficam destruídos os pecados e saradas as feridas da nossa alma. E o mais importante: recuperamos a amizade com Cristo. Quem sabe confessar-se bem, sabe ir para o céu; muitos vão para o inferno porque não sabem se confessar.
  
2. Partes da confissão:

As partes necessárias para fazer uma boa confissão são 5:

(1) EXAME DE CONSCIÊNCIA: É o esforço sincero por recordar todos os pecados cometidos desde a última confissão bem feita. Pedir luz a Deus para conhecer o estado da nossa consciência.  Devemos evitar que a insinceridade, a mentira dos nossos vícios e paixões destruam a voz de Deus no nosso interior.  “Se um rei soubesse que no seu reino se escondem inimigos, o que ele faria? Primeiro os mandaria procurar e depois os exterminaria. Ora, sabeis que dentro de vós estão os inimigos: estes são os pecados. Procurai-os, se os quereis exterminar” (São Bernardo). Temos que abrir as janelas da alma para que entre a luz de Deus no quarto da nossa consciência e possamos varrer a poeira das nossas faltas, tirar a sujeira dos nossos pecados.

Que se faz quando você abotoa a sua camisa pulando um botão? Têm que abotoar de novo. Se fazeis passar ante a consciência os Mandamentos da Lei de Deus um por um, sem pular nenhum, vos dirá a vossa consciência quais são os que transgredistes, e por conseguinte quais são vossos pecados. Se confessamos pecados graves devemos dizer quantas vezes fizemos cada um deles (se não da para lembrar-se com exatidão dizer com a maior precisão possível. Por exemplo: faltei mais o menos uma vez ao mês na Missa)

(2) DOR DOS PECADOS: É arrepender-se de ter pecado e de ter ofendido a Deus. Compreender que foi um erro, e doer-se por ter feito isso. Arrependimento é dor, desgosto e ódio dos pecados cometidos. A dor é o mais importante na confissão. É indispensável: sem dor não se tem perdão dos pecados. O arrependimento depende da nossa vontade. Quem disser “quisera não ter cometido tal pecado, mas reservo-me o direito de fazê-lo outra vez se me der vontade” não tem verdadeira dor. Não é suficiente dizer o ato de contrição só com a boca (não somos papagaios). É necessário dizer com todo o coração.

(3) PROPÓSITO DE ENMENDA: É o firme propósito de não pecar daí para frente. O propósito brota espontaneamente da dor. É necessário colocar os meios necessários para evitar as ocasiões, pensando sempre no momento presente e evitando pensar nas possibilidades futuras: “com certeza cairei de novo...” O fato de ter caído cem vezes não quer dizer que estejamos condenados a cair sempre. Jesus Cristo tem palavras muito duras sobre a obrigação de fugir das ocasiões de pecado. Chega a dizer: “Se teu olho é para ti causa de pecado, arranca-o e lança-o longe de ti, porque te é preferível um só dos teus membros, a que o teu corpo todo seja lançado na fogueira. E se a tua mão é causa de pecado, corta-a e lança-a longe de ti, porque te é preferível perder um só dos teus membros, a que o teu corpo inteiro seja atirado no inferno (Mt 5,29-30; Mt 18,8-9).

(4) DIZER OS PECADOS AO CONFESOR: Dizer ao confessor todos os pecados desde a última confissão bem feita. Um jovem tinha no colégio a fama de religioso, porém não era verdadeiramente sincero nesse sacramento. Se confessava freqüentemente com um sacerdote. Este se preocupava de interrogá-lo com esmero para facilitar a confissão. Via ao rapaz perturbado, e sempre perguntava ao final: ‑“Não me estás a esconder nada?” Porém ocultava algumas faltas. Se afastava com pena, pálido, como um criminoso. A véspera da quarta-feira Santa passou a noite em oração, lutando consigo mesmo para decidir-se a acabar com aquilo no dia seguinte. Voltou a encontrar ao sacerdote na sacristia onde costumava confessar. Fez uma confissão muito custosa. Ao final, como outras vezes, a pergunta: ‑“Não estás a me esconder nada?” De novo a fatal resposta: ‑“Não padre”. No momento em que ia receber a absolvição, o rapaz exclamou: ‑“Não lhe disse tudo”. Esperava uma reação dura no rosto severo do confessor, porém encontrou ao pastor que lhe olhava co serenidade e lhe infundia ânimos. Assim relata o escritor o acontecido:" Eu não terei jamais em minha vida um momento semelhante. Foi o dia em que se formou em mim um homem honrado. Me sentia outro, transformado, com o olhar transparente".

(5) CUMPRIR A PENITÊNCIA: É rezar ou fazer o que o confessor me pedir. Prova de estar em graça de Deus é a paz do coração (São Bonaventura) Quando Cristo me julgue na sua justiça, já não se lembrará do que me perdoaram na sua misericórdia (São Bernardo). A confissão é o encontro de Deus e do homem pecador, é um grande benefício de Deus que devemos saber estimar e aproveitar. A confissão é um sacramento que nos dará graças para ser cada vez melhores.
Tem dois tipos de pecados: mortais e veniais.
  
3. O pecado mortal e o pecado venial:

(1) O pecado mortal é uma falta em matéria grave, com plena consciência e pleno consentimento. Mata e destrói a amizade de Deus na nossa alma; Se morremos em pecado mortal, nos espera o inferno.

(2) O pecado venial É uma falta em matéria leve. Adoece a vida sobrenatural da alma e nos conduz para o pecado grave. Uma mancha de graxa na roupa nova é motivo suficiente para trocar por outras. Se tens o rosto sujo te lavas imediatamente, porque assim o exige a tua presença em qualquer parte. E não ficas envergonhado que a tua alma seja suja diante de Deus? Uma pedrinha no sapato não te deixa em paz até tirar ela, e como podes andar tranqüilo com um pecado grave na tua alma?
  
4.  Condições para um pecado mortal:

(1) Matéria grave: mentir com dano para o próximo; blasfemar, os pecados contra a pureza.
(2) Advertência: que ao fazer isso saiba que é grave (pleno conhecimento)
(3) Consentimento: que eu queira fazer aquilo que sei que é grave.
  
5. Como fazer a minha confissão:

A melhor preparação para a confissão é o exame de consciência diário. Tua consciência é um livro aberto, sobre o qual todas as tardes deveis anotar os ganhos e as perdas, os atos virtuosos e as faltas. Por isso, ao anoitecer, antes de deitar pergunta a tua alma: que bem fizestes hoje? Que mal cometeste? Os mandamentos são o caminho que Deus nos quis deixar para poder chegar ao Céu: São manifestações do nosso amor a Deus. Diz Jesus Cristo: “Aquele que me ama guardará os meus mandamentos” (Jn 14,21)
  

II. OS MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS


 1. AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS:
Amar a Deus sobre todas as coisas é estar convencido de que Deus vale mais do que Tudo e todos, e por isso devo preferir-lhe acima de todas as coisas. Devemos estar dispostos a perder tudo antes que ofender-lhe. Sacrilégio (receber em pecado grave a Eucaristia, uso indevido de objetos sagrados). Ter fé em adivinhos, curandeiros e nas superstições (passar debaixo de uma escada, ver um gato preto, o número 13,...)

 2. NÃO TOMAR O SANTO NOME DE DEUS EM VÃO:
Toma o nome de Deus em vão aquele que jura em prejuízo do próximo (algumas pessoas tem o mal costume de jurar por qualquer coisa). Blasfêmias (expressão injuriosa contra Deus, Nossa Senhora, os santos ou coisas sagradas: Sejam palavras, gestos, sinais, desenhos, etc...). Palavrões e as palavras feias.

3. GUARDAR DOMINGOS E FESTAS DE GUARDA:
Participar da Missa inteira Aos Domingos e festas de Guarda. O bom católico aplica-se a obras em bem dos outros ou da sua alma: oração, leituras edificantes, descanso familiar, obras de caridade. E não rindo e conversando com os outros durante a Missa.

4. HONRAR PAI E MÃE:
Obedecer seus mandatos (em quanto não mandem o que é pecado), socorre-lhes nas suas  necessidades e cuidar deles com amor, respeito e carinho.

5. NÃO MATAR:
Não fazer dano á própria vida ou a dos outros com palavras, ações ou desejos (ódio); Isto exige querer bem a todos e perdoar aos nossos inimigos. Odiar, querer rogar praga ou desejar o mal do próximo, ter desejo de vingança e rancor. Solução: Rezar para ter serenidade de espírito e pedir pelo próximo. Bater, ferir, tratar mal alguém; fazer uso de drogas e de álcool. Quem escandaliza é um assassino de almas: aquele que ensina, convida o induz outro a pecar; já seja com palavras, com seu exemplo, ou sendo cúmplice num pecado (eu não vou roubar, mas vou conseguir-te as chaves). Jesus Cristo diz, falando dos que escandalizam que seria melhor que atassem em volta do pescoço uma pedra de moinho e que fosse lançado ao mar, do que levar para o mal a um só destes pequeninos (Lc 17,2). No sejais jamais o ruim que arrasta ao pecado aos colegas (fazer o trabalho para Satanás). Tem muita atenção com os maus amigos. Fuja deles. É como uma maça podre que contamina as maças sadias da cesta.

6. NÃO PECAR CONTRA A CASTIDADE:
Ser puros e castos nas nossas atitudes, gestos, palavras, olhares e demais ações. Respeitar o nosso corpo. Já ouvistes falar de essas plantas que devoram os insetos? Apenas uma pobre borboleta pousa sobre as suas folhas largamente abertas, a folha enrola-se bruscamente e, quando alguns dias mais tarde, se entreabre de novo, poucos sinais se vêem da desventurada. Esta planta devorou vivo o pobre inseto, tomou-lhe a vida gota a gota. Os romanos apresentavam a virtude da pureza armada de um escudo e de uma lança, como se tivessem compreendido que esta virtude não se pode conservar sem uma luta contínua. Pode um pensamento incomodar-te durante muito tempo, inclusive durante dias. Como uma mosca pegajosa que volta uma e outra vez. Por muitas voltas que dê um mosquito, em quanto não te deixes não te picará. Se não aceitas um mau pensamento e fazes tudo o possível por rejeitar-lo, não só não pecas, mas te fortaleces diante de Deus. Busque a Deus e a Nossa Senhora, pedindo-lhes a graça de triunfar. Além disso, pode ser muito útil trazer um bom pensamento, cantar, ler um livro. O importante é ter uma atividade que absorva a atenção.

7. NÃO ROUBAR:
Proíbe prejudicar o próximo nos seus emprendimentos: furtando, retendo injustamente o alheio ou causando dano material as suas coisas. Tirando alguma coisa dos outros (dinheiro, balas) estragando algo alheio sem me preocupar de consertar

8. NÃO LEVANTAR FALSO TESTEMUNHO NEM MENTIR:
Não mentir, nem contar os defeitos do próximo sem necessidade. A língua é uma arma perigosa que pode ferir, com ela bendizemos a Deus, e com ela amaldiçoamos os homens que foram feitos a semelhança de Deus. Da mesma boca procedem a benção e a maldição.

9. NÃO DESEJAR A MULHER DO PRÓXIMO:
Refere-se aos pecados internos e externos contra o matrimônio.
  
10. NÃO COBIÇAR OS BENS ALHEIOS:
Podemos pecar com o desejo de possuir as coisas do próximo (desejo desordenado e consentido). Nunca foi um defeito procurar progredir e crescer na vida, o mal consiste em apegar-nos demais aos bens materiais.

  

III. OS MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS EM PERGUNTAS PARA AJUDAR NA PREPARAÇÃO DA CONFISSÃO

  
1. AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS:

                Usei de coisas religiosas ou consagradas a Deus com irreverência? (cruz, terço, santinhos...) Faltei o respeito nos lugares sagrados? (capela, seminário, das Irmãs...) ou com uma pessoa consagrada a Deus? (seminarista, Padre, Irmão, Freira, missionário...) Calei voluntariamente algum pecado grave na Confissão? Tentei enganar o Padre na Confissão passada? Comunguei sabendo que tenho um pecado grave? Acredito em benzedeiras, macumbas, espíritas...? Consultei a algum deles? Leio, tenho ou empresto revistas, livros ou folhetos que falam em contra da minha religião? Sou capaz de romper escritos que ferem a minha Fé ou pureza moral? Rezo com certa freqüência? Procuro distrair-me com outras coisas quando devo rezar? Procuro fomentar a minha formação religiosa com boas leituras recomendadas pelo meu Pároco, catequista ou amigo da Igreja? Acredito no que ensina a Igreja Católica ou tenho ideias contrárias a Ela? Tenho dificuldade aceitar alguma coisa da minha fé? Tenho conversado disto com outros? Manifesto com alegria e sem vergonha a minha condição cristã perante os demais? A minha vida é um testemunho de fé perante os homens? Penso que posso pecar mais já que depois me hei de confessar? Desconfiei de Deus, do seu amor, do seu poder? Fiquei longe dele (da Igreja) por isso? Tardei muito tempo em confessar-me depois de Ter caído em pecado grave? Fui corajoso para defender a Igreja ao escutar que outros a atacavam com críticas?
  
2. NÃO TOMAR O SANTO NOME DE DEUS EM VÃO:

                Tenho jurado em falso (duvidando da verdade que jurava)? Jurei fazer alguma coisa errada por vingança? Falei mal de Deus, de Nossa Senhora ou dos Santos? Comentei isso com outras pessoas? Tenho dito piadas ofensivas ridiculizando coisas da religião? Tive vergonha de dar testemunho da minha religião em algum momento? Falei mal da Igreja ou de coisas santas? Falei mal dos Padres, Freiras ou pessoas consagradas ao serviço de Deus? Faltei ao respeito a Casa de Deus brincando durante a Missa ou distraído?
  
3. GUARDAR DOMINGOS E FESTAS DE GUARDA:

                Deixei de assistir à Missa? Cheguei tarde a Missa ou saí antes da bênção final? Tenho cometido irreverências durante a Missa? Fui causa de que outras pessoas não assistissem a Missa? Comunguei em pecado?
  
4. HONRAR PAI E MÃE:

                Sou uma pessoa alegre na minha família, sou motivo de unidade ou de brigas? Colaboro nas necessidades comuns: ajudar a manter limpo e ordenadas as minhas coisas, ajudar a limpar a casa...? Sou motivo de tristeza para os meus familiares a causa da minha conduta? Desobedeci aos meus Pais? Dei risada deles? Os respeito? Respondo de mau jeito as suas indicações? Deixei de falar com eles, ficando bravo? Insultei-os? Despreciei eles? Maltratei-os? Ameacei a eles? Desejei-lhes algum mal? Tenho carinho pela minha família? Me vergonhei deles diante dos demais pela pobreza em que vivem, ignorância ou pela velhice? Reza por eles? Brigas com os irmãos, dando maus exemplos?
  
5. NÃO MATAR:

                Pensei em tirar-me a vida? Coloquei em risco a minha vida sem sentido? Feri alguém por algum motivo? Insultei a outros? Falei mal dos demais? Tenho ódio por alguém? Não cumprimento a alguém ou deixei de falar com alguém? Fui causa de inimizades ou brigas? Sou paciente com as deficiências dos demais? Fico contente com o mal alheio? Neguei o perdão ou me resisto a fazer as pazes com alguém? Demoro em reconciliar-me com alguém? Desdenho os demais com facilidade? Incomodei alguém com piadas grosseiras? Usei drogas ou dei para alguém? Fiquei bêbado? Fumei cigarro a escondidas?

6. NÃO PECAR CONTRA A CASTIDADE:

                Cometi ações desonestas? Sozinho ou o acompanhado? Deixei que os outros cometessem comigo? Beije ou abrasei alguém com desejo desonesto? Freqüentei bailes ou discotecas pouco recomendáveis? Tive companhias perigosas? Tenho guardado modéstia ao vestir? Demorei com malícia em pensamentos desonestos? Ouvi ou cantei alguma música desonesta? Tive conversas, palavras ou piadas de malícia? Li livros ou jornais maliciosos? Deixei-me levar pela curiosidade, vendo filmes, novelas ou revistas pornográficas ou indecentes? Deixo-me levar pela tentação ou sou rápido para fugir dela? Toquei alguém com desejo desonesto? Toquei-me levado pela luxúria? Procurei conscientemente alguma satisfação carnal? Procuro rejeitar desde o começo as tentações desonestas ou fico pensando muito tempo nelas? Fiz sinais desonestas? Tenho livros, revistas, filmes desonestos? Os tenho emprestado a outros? Continuas a ler sabendo que está mal? Olhei com intenção desonesta? Vi coisas perigosas para a moral? Tive alguma relação amorosa? Tenho amizades que são ocasião de pecado? Vou deixar essas amizades? Tive desejos desonestos consentidos, mas que até agora não tenho feito?


7. NÃO ROUBAR:

                Tenho na minha propriedade alguma coisa que não é minha? Tirei-a com violência, de uma pessoa carente, de um lugar sagrado? Tentei roubar a alguém ou desejei fazer o mal ao próximo ou aconselhei a fazer? Devolvi o que encontrei que não era meu, sabendo de quem era? Devolvi o que me emprestaram? Aproveitei-me da necessidade alheia para tirar dinheiro? Enganei nas compras ou vendas de algum produto? Tenho o costume de brincar apostando dinheiro? Procuro dar esmola segundo as minhas possibilidades (dízimo)? Como aproveito o meu tempo, as qualidades e forças que Deus me deu? Os coloquei ao serviço do meu próximo ou perco tempo sem fazer nada? Sou preguiçoso?


8. NÃO LEVANTAR FALSO TESTEMUNHO NEM MENTIR:

                Disse mentiras? Causei com elas prejuízo a alguém? Julguei mal do próximo sem motivo? Falei mal dos outros, levantei calúnias ou revelei segredos? Falo sempre bem do meu próximo? Exagerei sobre as falhas ou defeitos dos outros? Critiquei sem motivo? (os meus pais, irmãos, superiores, amigos, conhecidos,...)
  
9. NÃO DESEJAR A MULHER DO PRÓXIMO: cfr. 6o
10. NÃO COBIÇARÁS OS BENS ALHEIOS: cfr 7o

                 Fui invejoso? Sou feliz com o que possuo?

4 comentários:

  1. obrigado por imensa ajuda,pois logo mais estarei indo me confessar,e meditar sobre os mandamentos me trouxe a memória muitos pecados ...Deus vos abençoe sempre.

    ResponderExcluir
  2. Deus vos abençoe me ajudou e muito agora posso fazer uma boa confissão

    ResponderExcluir
  3. Muiito Obrigado !! :D Me ajudou muiito para minha confissao.. Deus os abençoe sempre !

    ResponderExcluir